segunda-feira, 15 de julho de 2019

Tipos de Pit Bull

Tipos de Pit Bull... Você provavelmente chegou aqui procurando quais são os mais diversos tipos/variedades incríveis e exóticas de Pit Bulls, mas vai descobrir agora que eles NÃO EXISTEM.

American Pit Bull Terrier. Nome de registro/pedigree deste cão: ACK's Kane
Seja bem-vindo para descobrir a verdade (mais uma vez, já que tem post antigo deste assunto) sobre este tipo de conversa de vendedor de mestiço ou crença de entusiasta mal-informado. Vamos começar:

Há muitas raças "confundidas" com Pit Bull, como Amstaff, Staffbull, American Bully, etc. Na hora de vender uma raça menos conhecida, muitos cachorreiros preferem dizer que é um "tipo de Pit Bull" para ficar mais fácil de vender. Mas, Pit Bull, ou American Pit Bull Terrier (nome completo da raça), só existe um. É uma raça pura e segue um Padrão Oficial da Raça.

Toda raça de cão reconhecida e formalizada por algum clube possui um Padrão Oficial a ser seguido. Este Padrão Oficial é um "documento" em texto que dita quais as características físicas (como altura, peso, proporções, formas, cores, etc, nos mínimos detalhes) e temperamento ideais de um exemplar "perfeito" da determinada raça. E com o Pit Bull não poderia ser diferente.

Veja as ilustrações abaixo de exemplos de outras raças (estas ilustrações não vem no texto do padrão oficial de cada raça, mas são feitas para facilitar a visualização do que é descrito):
Ilustração detalhada do padrão morfológico da raça Rottweiler segundo o clube alemão ADRK
Mais uma ilustração detalhada do padrão da raça Rottweiler (desta vez focando na dentição), segundo o clube alemão ADRK, mostrando exemplos corretos e os errados
Ilustração de um cão da raça Cane Corso detalhando as angulações requeridas segundo o padrão oficial desta raça
(Acesse também um exemplo de um Padrão Oficial de uma raça, neste, o do Border Collie em português para entender melhor https://cbkc.org/application/views/docs/padroes/padrao-raca_4.pdf)

A raça Pit Bull, cujo nome completo, mais uma vez digo, é American Pit Bull Terrier (APBT), é uma raça reconhecida e formalizada, com mais de 100 anos de idade, e possui Padrão Oficial a ser seguido pelos criadores. No caso são dois principais padrões oficiais, assim como acontece nas raças Doberman, Boxer, entre outras, que diferem um pouco em detalhes, no caso destas duas raças mencionadas (Doberman e Boxer), há pequenas diferenças entre o padrão europeu e o americano. Os principais padrões do Pit Bull são o padrão do clube UKC e o padrão do clube ADBA (link sobre cada padrão no final do post) que diferem pouco entre si.
Diferença entre cão Doberman do padrão seguido nos EUA (esquerda) e o padrão europeu (direita)
O que alimenta a crença sobre a existência de tipos de Pit Bulls é a propagação de informações distorcidas sem ou com má-intenção. E estas distorções surgem de alguns pontos:
  • A incapacidade de distinguir raças que são parecidas com Pit Bull; e o desconhecimento sobre a existência das mesmas.
  •  Propagação de informações de sites populares que pouco conhecem a raça.
  • A interpretação de texto precária.
  • A falta de conhecimento mínimo sobre cães e cinofilia.
  • Criação de justificativa para conseguir vender cães ao seu gosto que não pertencem a raça.
  • Desconhecimento sobre a raça Pit Bull e sua verdadeira aparência.
Vamos agora mostrar algumas raças de cães parecidas umas com as outras e frequentemente confundidas entre si, para ficar claro que o problema de raças parecidas não acontece apenas com o Pit Bull (depois, veremos as raças confundidas com Pit Bull):
 
Braco alemão de pelo curto (esquerda) X Pointer inglês (direita).
Raças de cães parecidas.
Malamute-do-alasca (esquerda) X Husky siberiano (direita).
Raças de cães parecidas.
Shit-tzu (esquerda) X Lhasa apso (direita).
Raças de cães parecidas.
Boston terrier (esquerda) X Bulldog francês (direita).
Raças de cães parecidas.
Pastor-belga-malinois (esquerda) X Pastor alemão (direita).
Raças de cães parecidas.

Border collie merle (esquerda) X Pastor australiano (direita).
Raças de cães parecidas.
Existem muitas raças de cães no mundo e é de se esperar que existam muitas raças parecidas umas com as outras, principalmente quando ambas foram criadas para a mesma função ou função similar (boiadeiro, pastoreio, caça, guarda, etc). Da mesma forma existem muitas raças parecidas com Pit Bull, porém, diferente dos outros casos, costumam inventar tipos de Pit Bull e até pedigrees para cães que não pertencem à raça, pois o nome Pit Bull é muito mais comercial.

Vamos ver agora algumas raças que são parecidas e confundidas com Pit Bull:
 
raça American Staffordshire Terrier, muito parecida com Pit Bull,
tem parentesco com o mesmo, mas é uma raça separada
raça Staffordshire Bull Terrier
raça American Bully
raça Bulldog americano
raça Dogo argentino
Agora um exemplo de como é a verdadeira aparência de um AMERICAN PIT BULL TERRIER:
American Pit Bull Terrier. Nome de registro/pedigree deste cão: GR CH IX BRONSON
A média das medidas do Pit Bull são:
* Altura: entre 43 e 53 cm na cernelha.
* Peso: entre 15 e 27 kg.

Um APBT pode ser considerado "moderno" se em seu pedigree consta que este pertence a uma linhagem considerada moderna, como por exemplo as linhagens Castillo e Lar-san, consagradas no UKC.
Veja também:

sábado, 17 de novembro de 2018

O que é um Pit Bull MODERNO?

Seguindo o raciocínio do post anterior (O que é um Pit Bull TRADICIONAL?), me deparei com mais de um comentário em outros posts perguntando se "moderno" se referia ao "pit monster". Para esclarecer estas mentes, vamos tentar explicar o que é um "Pit Bull Moderno".
Sahab's Cleopatra AKA "Cleo". Caragan kennels.
O que se pode chamar de um "Pit Bull moderno". Padrão UKC.
Se você já leu o post anterior, já entendeu que "Pit Bull tradicional" se refere aos cães de rinha e aos cães de linhagens consagradas nas rinhas (ou seja, que possui ancestrais campeões de combate recentes). O termo "Pit Bull moderno" se refere justamente ao oposto, os cães que já não são mais de rinha, cães que não são de linhagens consagradas nas rinhas. No final das contas, ambos possuem a mesma raiz, o "moderno" possui ancestrais campeões de combate mais antigos em comum com o "tradicional", porém o "tradicional" continuou na sua função por mais tempo, e o "moderno" encontrou meios lícitos modernos de obter sucesso.

"Moderno" não tem nada a ver com "pit monster" (que é uma "raça" diferente, ainda em estágio de formalização).
Pit Bull e Bully XXL.
A cadela Bully XXL da foto é divulgada como modelo de "Pit monster".
A Bully XXL chama-se Victoria Secret's, do Bossy kennels.
Os Pit Bulls chamados "modernos" possuem em sua árvore genealógica muitas gerações recentes que não foram testadas nos combates. Todas estas gerações afastadas dos combates, foram selecionadas para práticas lícitas, como as provas de conformação (beleza) do UKC e para esportes como o Weight Pulling (tração).

Da mesma forma, como mencionado no post anterior, a maneira de identificar se tal cão é "moderno", é verificando o seu pedigree/genética. Assim como com os "tradicionais", os "modernos" também não podem ser identificados com base apenas na aparência.

Os "modernos" geralmente tem pedigree UKC, e por consequência pertencem à linhagens consagradas nas exposições da UKC e atendem ao padrão da UKC, apesar de muitos também participarem hoje nas provas da ADBA com sucesso.

Veja também:
* O que é um Pit Bull TRADICIONAL?
* Padrão UKC
* Linhagens de Pit Bull
* História e origem do Pit monster

O que é um Pit Bull TRADICIONAL?

Este termo "tradicional" explodiu recentemente, e está atraindo muitas pessoas. Como é de costume, quando se trata do nome Pit Bull (APBT), o que não falta é gente mal-intencionada para se aproveitar da falta de conhecimento dos leigos e arrancar o seu dinheiro. Vamos tentar esclarecer, então, este termo tão popular agora e ao mesmo tempo tão incompreendido.
CH SAVICH'S "IRON KID" 7XW 1XLG ROM
Famoso APBT gamebred com cicatrizes de combate.
É o que pode ser chamado de "Pit Bull tradicional"
O termo "tradicional" no Brasil, pode ser considerado o equivalente ao termo em inglês "gamebred", que por sua vez denomina os APBTs selecionados no combate entre cães."Game" de gameness, e "bred" de selecionado/reproduzido, ou seja, um cão selecionado através do teste de gameness em rinhas. Gamebred é termo para definir o tipo de seleção (combate, neste caso), e Gamedog é o termo para o cão/exemplar de combate (não confundir com o esporte brasileiro, que envolve saltos e escalada).
GR CH GO KNLS "CROATA" 5XW BIS ROM
Famoso APBT gamebred com cicatrizes de combate. Um gamedog (cão de combate).
Portanto, o termo "tradicional" é aplicado aos APBTs testados e aprovados no combate, ou aos cães que são de linhagens consagradas nos combates. O "esporte" do combate entre cães foi o que provocou o surgimento da raça, funcionando como meio e objetivo principal de seleção de exemplares por muito tempo, sendo portanto uma prática tradicional da raça, embora ilegal hoje.

Então, já sabendo a definição do que é um cão "tradicional", como identificar um?
T-BONE'S CLUB "T-BONE" (1XW) POR/ROM

Tratando-se de Pit Bull, o julgamento pela aparência nunca é a forma mais segura de identificar. Quando o termo "tradicional" é mencionado, logo relacionam à cães magros e finos, e à partir daí agora qualquer vira-lata pode ser divulgado como um "pit bull tradicional" e ser vendido para leigos. Uma vez que a seleção/criação de cães de combate se foca apenas em temperamento (gameness) e desempenho, a aparência é o que menos importa. Existem cores mais comuns nestes cães? Sim. A maioria se assemelha entre si e ao mesmo tempo se "difere" fisicamente dos "modernos"? Sim. Estes cães são mais associados a ADBA? Sim. Mas este não é o ponto.

Para identificar se um cão é "tradicional", é preciso primeiro conhecer quais são as linhagens gamebred que existem na raça, e em seguida saber qual é a genealogia (os ancestrais) do tal cão em questão e por consequência à quais linhagens ele pertence. Isto não pode ser avaliado pela aparência. A forma mais fácil é através do pedigree, que geralmente é emitido pela ADBA, e neste pedigree constará à qual linhagem o cão pertence.
GR CH TANT'S "YELLOW" (6XW) ROM
Leia sobre o histórico deste cão aqui 
É importante deixar claro que os cães que ainda são usados ilegalmente para combate no Brasil, não costumam ser disponibilizados, ou mesmo divulgados para o grande público, por razões óbvias. Muitos nem sequer tem pedigree emitido e a procedência é atestada na palavra e reputação do dono.

Para o grande público, talvez o que se pode encontrar são cães que pertencem à linhagens gamebred, mas que apesar de terem ancestrais campeões de combate, nunca chegaram a serem testados. Os criadores costumam escolher muito bem os compradores para estes cães, já que é uma grande responsabilidade possuir cães com tal temperamento.

Estes cães de linhagens gamebred que não são utilizados em combates hoje, participam com muito sucesso em provas de conformação da ADBA e similares, e também em esportes lícitos como o Pit Gameness do Brasil.

Tal cão é "tradicional"? Depende do que diz a genética/pedigree dele.

Veja também:
* O que é um Pit Bull MODERNO?
***
* O que é Gameness?
* O que é Pit Gameness?
* O que é Pedigree? - Pedigree do Pit Bull
* Não seja enganado ao comprar um Pit Bull
Melhores canis de Pit Bull do Brasil - Lista
* Padrão ADBA
* Linhagens de Pit Bull

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

A nova raça: American Working Red

American Working Red é uma nova raça formalizada pelo clube APDR dos Estados Unidos.
***
Primeiramente, assim como foi feito no post sobre a origem do monster, levando em conta quem chega aqui pela primeira vez sem estar por dentro dos temas, é importante esclarecer e reforçar sempre que os cães intitulados como monster, extremados ou extreme não são pit bulls, não pertencem a raça APBT. Há falhas nos registros/pedigrees. A falta de fiscalização permite que praticamente qualquer cão possa ser registrado como um pit bull no Brasil e que continue sendo registrado como tal indefinidamente. Isto vem melhorando aos poucos com a crescente conscientização, mas o caminho ainda é longo. Dito isto, podemos continuar.
AMERICAN WORKING RED
APDR new dog breed.
Talvez seguindo a mesma linha que a ADBA (que criou a nova raça Working pit bulldog por volta de 2015 após o escândalo dos cães gigantes) a APDR (American Preservation Dog Registry) também criou uma nova raça: o AMERICAN WORKING RED.

Mas, diferentemente da ADBA, que fundou o Working pit bulldog baseado em linhagens que nasceram para as competições de Weight pulling (tração pesada) à exemplo dos cães Chevy, Eddington, etc, a APDR criou o American working red com base em linhagens de cães vermelhos que foram selecionados num primeiro momento como cães maiores para caça de javali nos EUA, à exemplo dos famosos cães Camelot.

A APDR relata no padrão da nova raça que estes cães surgiram para a caça de javali e usaram como base genética APBTs OFRN (Old Family Red Nose):

O American Working Red tem suas raízes nos cães Old Family Red Nose (American Pit Bull Terrier). Décadas atrás Caçadores no Sudeste {EUA} precisavam de um cão que tivesse o impulso, a determinação e a habilidade de pegar javalis e segurá-los até que o caçador chegasse. Com o passar do tempo, o processo de seleção dos melhores exemplares de trabalho produziu um cão maior, com características específicas da função de Caça ao javali e, assim, surgiu uma nova raça, o "American Working Red". 

A APDR não cita mais especificamente o que foi feito para "aumentar" o tamanho dos cães. Pode ter sido mesmo apenas uma seleção com altíssima porcentagem de consanguinidade, ou inserção de outras raças à equação. O objetivo era desenvolver o melhor e maior cão para a caça de javali, já que o APBT mesmo possuindo todas as qualidades para este propósito carece em tamanho e peso para melhor controle da presa. 

Segundo o padrão APDR, à cerca do tamanho (peso e altura) o American Working Red macho deve possuir entre 60 e 90 libras (27,2 e 40,8 kg), e as fêmeas entre 50 e 70 libras (22,6 e 31,7 kg); a APDR especifica que o American working red visualmente trata-se de uma versão maior e mais pesada da sua raça predecessora, e não cita qual a altura. A pelagem é vermelha, red brindle ou chocolate, e pode ter manchas brancas. Os olhos devem ser âmbar ou verdes.

Sobre o temperamento, o padrão APDR cita que o American Working Red deve ser:

Amigável com os seres humanos, mas com alto impulso de caça dirigido contra outros animais. Devido à raça ser descendente do American Pit Bull Terrier, a agressividade moderada contra cães é esperada, mas deve ser retirada da seleção.

A APDR conclui o padrão citando que o American Working Red é "um dos melhores cães de caça de javali do planeta", e trata de especificar as linhagens que fazem parte da nova raça:

Algumas das linhas de sangue associadas ao American Working Red, mas não as únicas, são Camelot, Dangerzone, McKenna e Peterson.

Embora o objetivo inicial tenha sido a caça de javali, há algum tempo estes cães já vêm se integrando ao movimento bully e enaltecendo a aparência monstruosa acima da capacidade de trabalho.

Posts relacionados:

FONTE e Link de interesse:
* Padrão APDR: http://www.apdrdogs.com/american-working-red2.html
* Registro inicial APDR, pedigree 4 gerações 20 dólares: http://www.apdrdogs.com/single-dog-registration.html

*Tire suas dúvidas nos comentários, não é necessário ter conta para comentar. Mas se você tem conta, comente marcando a opção 'Notifique-me'. E se ainda não estiver vendo a opção de comentar, clique em 'comentários'.

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

A história e origem do Monster

Introdução

Primeiramente, levando em conta quem chega aqui sem estar por dentro dos temas, é importante esclarecer e reforçar sempre que os cães intitulados como monster, extremados ou extreme não são pit bulls, não pertencem a raça APBT. Há falhas nos registros/pedigrees. A falta de fiscalização permite que praticamente qualquer cão possa ser registrado como um pit bull no Brasil. Isto vem melhorando aos poucos com a conscientização, mas o caminho ainda é longo. Dito isto, podemos continuar.
Bossy’s Victoria Secret. Cadela americana de 91 libras, utilizada
como imagem-modelo do 'pit monster'
O monster, extreme, extremado, mais conhecido como 'pit monster', etc, corresponde a uma variedade de cães derivados e/ou relacionados ao movimento bully, e cujos criadores estão hoje objetivando transformá-la numa raça no Brasil. Este processo de construção de raça ainda está em andamento, está apenas no primeiro passo, é um anseio muito recente. Parte desses cães ainda continuam a ter pedigree nacional (seja CBKC, SOBRACI, etc) de pit bull e são vendidos como tal através de todo o Brasil. Apesar disso nota-se uma ligeira mudança no pensamento dos aficionados deste tipo de cão. Eu sinceramente espero que isto chegue a algum lugar, e que os monsters (uma variedade reconhecidamente muito mais próxima do american bully XL, XXL e extreme) parem definitivamente de serem chamados, registrados e classificados como pit bulls ou como um tipo de pit bull. Assim que este objetivo for realizado, a harmonia será alcançável entre criadores e aficionados das duas raças diferentes.

Antes de continuar, para entender tudo, você precisa primeiro saber o que é um American Bully e suas variedades de porte, estar por dentro do caso do cão Hulk e os "pitbulls" gigantes, e também conhecer os padrões ADBA* e UKC* do pit bull caso você nunca tenha visto um pit bull verdadeiro.

A história de origem dos Monsters

A origem dos monsters coincide com o reacendimento do conceito 'Bandog' pelo dr. Swinford no final da década de 1960, que justamente começou a cruzar pit bulls campeões de combate, com mastiffs para produzir os chamados Bandogs, grandes cães de guarda mestiços; e coincide também com a popularização do esporte canino Weight pulling (tração pesada) seguido da proibição das rinhas em todo o território americano na década de 1970.

A história do monster ou dos Bullys XXL tem início nos EUA com um cão chamado Eddington's Wanna be a Whopper de criação de Edgar Eddington. Um cão reconhecidamente de sangue mestiço molosso/mastiff, composto por bulldog americano e dogue de bordeaux, dizem.
Eddington's Wanna be a Whopper.
Nitidamente um molosso, não um pit bull.
Guarde este nome.
Nos fóruns americanos é dito que após conversas e esforços, Edgar conseguiu o consentimento do UKC e provavelmente também da ADBA (as fontes divergem quanto a participação direta da ADBA) para fazer o single register limitado do seu cão. Alguns dizem que o(s) clube(s) já sabiam que o cão era mestiço antes mesmo de conceder o registro, outros dizem que só souberam depois. Versões à parte, é importante mencionar que o objetivo daquela criação era produzir os melhores cães para as competições de Weight pull (tração pesada).

Dizem que o argumento que Edgar utilizou para que seu cão fosse aceito para registro era de que ele não pretendia ser um criador ativo e queria somente conseguir participar dos eventos sancionados/oficiais de weight pulling da UKC. Se foi realmente isto, é difícil entender então porque continuaram dando registros a sua prole. Há muitas divergências sobre como tudo isto aconteceu, se foi com consentimento ou não, mas é fato que ele conseguiu pelo menos o registro UKC e que as mestiçagens mencionadas não constam no papel.

É dito que Edgar Eddington foi campeão nacional de weight pulling por 12 anos seguidos e dominou as competições. O enorme sucesso do cão Whopper fez com que outros entusiastas do esporte procurassem por aquele sangue molosso. Foi então que surgiu o cão Spaulding's Chevy Red Dog, filho de Eddington's Wanna be a Whopper. Chevy Red Dog foi nove vezes vencedor nacional de weight pulling, obtendo o record mundial da época de 5 toneladas (11050 lbs). À partir de Chevy Red Dog surgiram os cães Elli's (não confundir com os APBTs Eli), cães muito presentes nos pedigrees de Bullys XL e XXL de hoje.
Spaulding's Chevy Red Dog
Por muitos anos tudo isto continuou abafado e 'escondido' do grande público. Os cães advindos das linhas selecionadas para Weight Pulling começaram a serem selecionados apenas pela aparência monstruosa devido a ascensão do movimento bully, alcançando também preços altíssimos, continuando com registros de pit bull mas também aderindo registros de American Bully na ABKC nos anos 2000.

Mas recentemente por volta do ano de 2015 houve o grande escândalo do cão Hulk, um cão de mais de 70 kg, cujo dono afirma ser um pit bull e tem registro UKC. Hulk, como pode-se observar abaixo tem em sua árvore genealógica cães Elli's (e consequentemente Chevy e o Whopper), Camelot*, Peterson*, entre outros, e Razor Edge a linha base do American Bully. Então, tanto a sua aparência como a sua genética mostram que ele não é um pit bull.
Pedigree do Hulk exposto pelo próprio criatório
Devido ao escândalo, os clubes começaram a tomar providências diante da pressão. O UKC reconheceu o American Bully após admitir "problemas" no stud book do pit bull. Com o anúncio da UKC, a ADBA foi mais longe e iniciou um processo de revisão e pesquisa do seu stud book, para reclassificar para a raça correta todos os cães que estão registrados como pit bulls mas que não pertencem à raça.
A ADBA reconheceu o American Bully e o Amstaff, e está criando uma nova raça, o Working pit bulldog a partir dos cães desenvolvidos por décadas para o weight pulling e que não atendem ao padrão do pit bull e têm suspeita de mestiçagem. De acordo com o clube:

"Os cães em conformidade com este tipo racial foram desenvolvidos ao longo de um período de 31 anos para o esporte de Weight pulling. Pit bulls selecionados foram reproduzidos pela sua capacidade de trabalho e espírito competitivo. O tamanho destes cães aumentaram bastante devido a várias práticas de cruzamento, incluindo supostas mestiçagens com outras raças de grande porte. Além do tamanho, o temperamento básico dos cães também mudou do tipo tradicional terrier ao tipo de cão de utilidade. [...]
Cães pesando acima de 34 quilos, que atualmente estejam registrados como Pit Bulls e que descendem de linhagens que foram desenvolvidas para o Weight pull ou para outros propósitos, serão reclassificados para a designação de raça Working pit bulldog. [...] " (ADBA)


A APDR* fez algo similar. E está a registrar uma nova raça, a qual chama de American Working Red, à partir de cães pesados criados por anos para a caça de javali, e que são totalmente fora do padrão do APBT, e que derivam de pit bulls vermelhos OFRN. Nas próprias palavras do clube:

"[...] Décadas atrás Caçadores no Sudeste {EUA} precisavam de um cão que tivesse o drive, a determinação e a habilidade de pegar porcos selvagens e segurá-los até que o caçador chegasse. [...]
Algumas das linhas de sangue associadas ao American Working Red, mas que não se limitam são Camelot*, Dangerzone*, McKenna*, and Peterson*. " (APDR - Raça American Working Red)

No Brasil a moda dos cães pesados começou rápido logo na primeira década dos anos 2000. Muitos foram registrados na CBKC como pit bulls, foram selecionados com base em cães R.I. e em linhas pesadas de fora do país.

Aqui os monsters são compostos basicamente por canchin, 'thompson', red lion (muitos destes são compostos basicamente por cães Camelot* e McKenna* combinados com linhas de American bully, como Gottyline e Razor Edge. Veja o exemplo aqui) e por aí vai. Alguns clubes ligados ao movimento bully estão começando a registrá-los sob um projeto de uma nova raça que adota o nome de 'pit monster', 'brazilian pit monster', etc. Mas, como você pode observar abaixo, ainda existem cães monster com registro de pit bull pelo Brasil. Há um longo caminho ainda para que tudo vá para seu devido lugar.

"pit monsters" com registro CBKC de pit bull, sendo vendidos como pit bulls na olx.
26 de Junho de 2018
"pit monsters" com registro CBKC de pit bull, sendo vendidos como pit bulls na olx.
26 de Junho de 2018
Nos EUA o Bully XL, cuja altura máxima é de 57 cm na cernelha, é aceito, padronizado e registrado pela ABKC. Já o Bully XXL que pode ultrapassar estas medidas pode ser registrado, mas não se encaixa no padrão/altura máxima determinada pela ABKC.

Os cães Eddington, Spaulding's/Chevy, Elli's, Peterson, McKenna, Dangerzone, Camelot, etc, e consequentemente também seus descendentes, não são pit bulls, mas sim American working reds, Bully xl ou xxl, Working pit bulldogs, 'pit' monsters ou 'brazilian pit monsters'.

Resumindo, hoje não existe nenhuma desculpa para que continuem registrando monsters como pit bulls. Há diversas opções, tanto no Brasil quanto nos EUA, para registrar o seu monster na verdadeira raça à qual ele pertence.

Recomendado:
* Working pit bulldog
* American working red
* História do American Bully
* Não seja enganado ao comprar um pit bull

Observações:

* APDR: American Preservation Dog Registry. Clube sediado nos EUA.
* ADBA: American Dog Breeders Association. Clube sediado nos EUA.
* UKC: United Kennel Club. Clube sediado nos EUA.
* ABKC: American Bully Kennel Club. Clube sediado nos EUA.

Fontes:
* https://www.facebook.com/mattarnold.meredith/media_set?set=a.310131979195297.1073741836.100005954919143&type=3
* https://www.gopitbull.com/bloodline-discussion/15809-best-weight-pull-bloodline.html
* https://www.gopitbull.com/general-discussion/5862-eddington-bloodline.html
* https://pedigree.gamedogs.cz/details.php?id=202132
* https://www.gopitbull.com/bloodline-discussion/6940-dagger-dogs.html
* http://www.apdrdogs.com/american-working-red2.html
* https://adbadog.com/wp-content/uploads/2016/07/Breed_Reclassification.pdf
http://www.pitbulltruth.org/help-us-stop-the-unethical-and-irresponsible-breeders-of-dynastyk9/

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Por que o Pit Bull não é reconhecido pela FCI?

Muitos se perguntam o motivo que justificaria o porquê do Pit Bull, que é uma raça verdadeiramente pura, não ser reconhecido pela FCI. Muitas respostas sem o mínimo de embasamento são espalhadas internet à fora, sustentadas em más intenções ou apenas por ignorância.
Sahab's Cleopatra aka Cleo. Caragan kennels
Para sabermos a resposta, precisamos primeiramente saber um pouco mais sobre a FCI.

Sobre a FCI

A FCI é uma organização cinófila europeia fundada em 1911, e que autoproclamou-se Federação Cinológica Internacional. Em comparação com outros clubes cinófilos de grande influência como o American Kennel Club (AKC - 1884) e o The Kennel Club (KC - 1873), a FCI é bem mais  jovem.
Além disso, durante a Primeira Guerra Mundial, a entidade teve fim. E só foi restabelecida em 1921.
Estes dois clubes mencionados (AKC e KC) tem uma parceria com a FCI (mas não são membros ou filiais), ainda assim são independentes da mesma.

Segundo o próprio site oficial da entidade, a FCI não é um registro/cartório, ou seja, não emite registros genealógicos e nem possui studbook  suas filiais sim —, apenas tem como função catalogar raças com seus respectivos padrões e organizar grandes eventos mundiais, principalmente de conformação.
Para uma raça ser reconhecida pela FCI, vários requirimentos devem ser cumpridos. Os criadores devem se unir, cumprir estes requirimentos, criar um clube, um padrão, e solicitar o reconhecimento da raça. A solicitação então é avaliada por uma assembleia, e pode ou não ser aprovada. Se a solicitação for aprovada, a raça recebe reconhecimento provisório, e depois pode receber o reconhecimento definitivo.

A FCI, pelo seu número de filiais (em 84 países) ao redor do mundo, declara-se como a maior organização cinófila mundial.

Controvérsias sobre a FCI

A supervalorização da estética e o dito quase-monopólio da FCI são frequentemente criticados e contestados por criadores e por outras organizações cinófilas pelo mundo. Sim! Existem várias organizações internacionais, a FCI é apenas uma.

Fatos sobre a FCI

  • Apesar do nome "Federação Cinológica Internacional", a FCI não é a única organização de alcance mundial, não é o clube oficial do mundo. Sendo que qualquer outra entidade pode assumir um nome que também sugira soberania ou alcance mundial.
  • Em outras localidades, como nos EUA e Reino Unido, as entidades locais AKC e KC tem muito mais influência que a FCI.
  • A FCI reconhece um pouco mais de 300 raças, das mais de 400 estimadas existentes no mundo. Isto significa que o Pit Bull não é a única raça não reconhecida por esta organização.

Conclusão

Por que o Pit Bull não é reconhecido pela FCI? 
Principalmente pela falta de união e de interesse dos criadores, que não vêem vantagem alguma em obter reconhecimento de uma entidade que não condiz com a criação de cães funcionais, e que por este e outros motivos os criadores não se preocupam em solicitar reconhecimento.
O pit bull já possui duas entidades de grande importância — ADBA (1909) e UKC (1898) — que foram criadas com o objetivo de registrar a raça, são mais antigas que a FCI, e hoje são as mais importantes organizações cinófilas para o Pit Bull. Além disso, a raça é reconhecida por diversos clubes mundo à fora.

Então, antes de sair por aí dizendo "o pit bull não é reconhecido" seja mais honesto e complete a frase "o pit bull não é reconhecido pela FCI, mas é reconhecido por outros clubes", a FCI não é o único clube do mundo.

Fontes e links relacionados:
http://www.fci.be/medias/FCI-REG-RGT-fr-2010.pdf
http://australiancattledog.bsb.br/news/verdades-sobre-pedigree-no-brasil/
http://www.fci.be/es/Historia-de-la-FCI-1.html
http://www.fci.be/es/FCI-la-mayor-organizacion-canina-del-mundo-90.html
https://fr.wikipedia.org/wiki/F%C3%A9d%C3%A9ration_cynologique_internationale
https://en.wikipedia.org/wiki/American_Kennel_Club
http://www.fiapbt.net/notrecognized.html

domingo, 29 de abril de 2018

American Bully, "Pit monster" e o conceito de raça pura

O Blog do Pit Bull, o American Bully, o "Pit monster", e o conceito de 'raça pura'

Recentemente após alguns posts e vídeos expondo a verdadeira natureza dos cães apelidados de  "Pit monster", algumas pessoas sem contra-argumento começaram a enviar comentários, afirmando ou dando a entender que eu tinha inveja ou ódio destes cães.

American bully e Pit bull
comparação. Comparison.
Venho neste post esclarecer algo que parece ser difícil de entender, pelo menos para as pessoas que esqueceram o lado racional:

Eu não tenho absolutamente nenhum problema com a raça American Bully ou com criadores sérios desta raça. Meu 'problema' é com as pessoas que registram cães com má-fé e vendem e divulgam os mesmos cães dizendo que eles são de uma raça à qual não pertencem.

O American Pit Bull Terrier deve ser uma das principais, senão a, raça que é mais desprezada e sugada, por pessoas mal-intencionadas. O nome 'Pit Bull' é altamente explorado com objetivos basicamente financeiros.
Talvez isto aconteça devido ao "não reconhecimento" do Pit Bull pela FCI. Neste ponto eu tenho que deixar claro que o APBT é reconhecido pelo UKC desde 1898, além de ser registrado pela ADBA, que é um clube especializado, fundado em 1909. A FCI não é tudo isso que se pensa, foi fundada só em 1911, e só tem forte influência em países com pouca tradição cinófila(pelo menos no quesito de registros genealógicos). Além disso, para uma raça ser aceita no sistema FCI, os criadores é que têm que ter interesse.

Outros vêm dizer que Pit Bull não é bem uma raça porque foi criado do cruzamento de duas raças. A estas pessoas, eu sinto informar, mas não entenderam o que significa 'raça' no meio cinófilo. Se você discorda do termo e significado de 'raça pura' neste contexto, vá discutir com os cinófilos. Mas, querendo ou não, o Pit Bull é tão raça pura quanto o Rottweiler, que foi reconstruído após quase extinto; o pastor alemão, que foi criado pela união de três tipos de pastor; o Bulldog inglês, que recebeu sangue espanhol e (dizem também) de pug; e tantos outros exemplos.

O conceito de 'raça pura' na cinofilia foi difundido na Inglaterra a pouco mais de um século. Mesmo algumas raças milenárias da Europa-oriental e Ásia não são reconhecidas pelos principais clubes do mundo, porque não seguem as regras estabelecidas no ocidente e são consideradas apenas landraces. 'Raça pura' não tem a ver apenas como uma raça surgiu, mas se foi oficializada. Então não fale bobagens sem saber o que significa 'raça pura' para a cinofilia.



Eu sei que esta desculpa distorcida e esfarrapada de "pit bull não é raça pura" é usada para justificar a venda de cães mestiços divulgados como puros.  Então a frase completa que estas pessoas deveriam usar de verdade seria "Pit bull não é uma raça pura, então pode mestiçar que vai continuar sendo pit bull". Isto faz algum sentido? Claro que não. Mas na prática é o que estas pessoas acreditam, mesmo que não tenham parado para refletir.

O Pit Bull descende da união entre bulldog(antigo) e terrier, sim! Mas preste atenção nesta parte: Da união entre bulldog e terrier surgiu um cão que não era bulldog, nem terrier, mas um cão totalmente novo, que mais tarde foi chamado de Pit bull. Desde 1898 (pelo menos. Já que a criação de pit bull é mais antiga) o pit bull só é cruzado com pit bull ao longo de 120 anos. Isto é o que significa pureza para a cinofilia.

Só porque uma raça foi criada pelo cruzamento de outras duas a mais de 120 atrás, não significa que você pode pegar um cão desses e mestiçar e pensar que continua sendo a mesma coisa! A partir do momento em que se adiciona sangue novo, surge um cão novo, diferente, que não é a mesma coisa que o anterior.

É importante também mencionar aqui, que além do aspecto genético, o conceito de raça pura também tem a ver com padrão estético. Raça é genética + padrão morfológico. Estas são as regras do jogo na cinofilia moderna.

Espero que este ponto tenha sido esclarecido.

Quem diz que American Bully e Pit Bull são a mesma coisa, não leva à sério nenhuma das duas raças.

Aos poucos, os criadores realmente sérios das duas raças, irão se sobressair deste mar de mentiras, desinformação, ego e comércio. Criador sério pensa no futuro e preservação da sua raça. Seja racional e enxergue a realidade. Leve à sério a sua raça preferida, seja qual for, e contribua com a sua evolução e preservação.

Links de apoio para leitores:
Conceito de raça e de raça pura
A nova raça: Working pit bulldog

sábado, 10 de fevereiro de 2018

120 anos de Pit Bull!

Em 10 de Fevereiro de 1898, Chauncy Z. Bennett, inconformado com a não-aceitação do nobre Pit Bull pela AKC, fundou seu próprio clube cinófilo: o United Kennel Club (UKC), hoje o segundo maior dos Estados Unidos, e o maior do mundo no quesito cães de trabalho; para registrar e reconhecer a raça. O registro nº 1 do UKC foi do seu próprio cão 'Ring'.

Hoje 10 de Fevereiro de 2018, 120 anos depois, comemoramos o aniversário do reconhecimento do Pit Bull. Para isto, um curto vídeo em homenagem ao aniversário e história da raça:

sábado, 13 de janeiro de 2018

O papel do criador de cães

Atualmente fala-se muito sobre procedência, criação e seleção. Mas muitos iniciantes acreditam erroneamente que para se tornar criador basta apenas pegar dois cães com registro e acasalar. E não é bem assim. Os que pensam desta forma desconhecem completamente qual é a verdadeira função de um criador. Esta função é o que diferencia um criador de um vendedor de cães.
Pit bull black nose - fonte: Pinterest
A função de um criador profissional é PRESERVAR E MELHORAR A RAÇA.

E como um criador consegue preservar e melhorar uma raça? Primeiramente através de um item muito importante: A genética!

Então, sabendo disso, como é possível preservar uma raça através da genética? Resposta: através do registro genealógico.
A genética é a base de toda raça, é o que define se um cão pertence ou não à determinada raça, e é o que o faz um legítimo representante da mesma.

O registro genealógico, vulgo 'pedigree', mantém guardado toda a genética de um cão, toda a sua árvore genealógica. De onde ele veio, qual a linhagem, quem são os pais, avós, bisavós e etc, e qual a sua ligação com  a raça. Com o registro genealógico de um cão procedente é possível rastrear todos os seus ancestrais até o início da raça à qual ele pertence, conseguindo enumerar em sua genética todos os cães importantes que fizeram história na raça, e todos os cães pioneiros, os primeiros à entrar no studbook e formar a base genética da raça de onde todos os outros cães puros descendem.

Reproduzir um cão de genética desconhecida, para um criador profissional, é ir contra a preservação de uma raça. Já que todas as informações mencionadas anteriormente são completamente desconhecidas, foram perdidas no tempo e não há como inverter isto. O mesmo vale para os cães que tem genética incompleta, cães que tem apenas poucos ancestrais conhecidos há poucos anos e o restante de seus ancestrais: mais de um século de genética desconhecida que não chega ao início da formalização da raça.

Entre os cães procedentes pode existir animais com genética boa ou ruim. E é neste ponto que aparece a 'seleção genética'. O criador deve saber separar o que é bom do que é ruim, e tentar reunir só o que é bom, para produzir bons resultados e contribuir para a melhora da raça.

Aí aparece mais uma pergunta: como saber o que é bom e o que é ruim? Resposta: Através de uma avaliação.

Algumas raças, dependendo da função para a qual foram criadas, são avaliadas quanto à morfologia em exposições caninas, ou são avaliadas em provas de aptidão que testam o comportamento e capacidade física de um cão para conseguir cumprir uma função, como guarda ou caça. O criador por si mesmo pode avaliar seu plantel e produção, com base nestes itens e provar/confirmar o resultado em competições/testes oficiais. Pode também se aproveitar do conhecimento e experiência de criadores mais antigos para traçar quais linhagens trazem mais resultados positivos e montar o seu plantel, posteriormente testar e selecionar os melhores exemplares, e assim por diante.

Para finalizar, é importante deixar bastante claro que cada raça possui suas particularidades quanto à emissão de registros genealógicos e avaliações oficiais. No caso do Pit Bull, eu sempre digo que o registro genealógico tem que ser do UKC e/ou da ADBA, já que estas são as primeiras e mais antigas entidades à registrar a raça, e que consequentemente possuem os studbooks mais antigos, completos e com mais credibilidade e importância. E que portanto, além do registro, também a avaliação de um Pit Bull tem que ser feita com base nas diretrizes destas duas entidades, preferencialmente nas duas ao mesmo tempo. E se não for possível nas duas ao mesmo tempo, então priorizar as diretrizes da ADBA que é a mais credibilizada entre as duas.

Leituras recomendadas sobre criação profissional de cães no geral:
* https://www.doglink.pt/guia-do-criador
http://www.lordcao.com/lcn042.htm
http://www.blacklab.com.br/clipping776.htm
http://www.petvale.com.br/cachorros/dicas-criador-iniciante/

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

O famoso Pincher

Colby's Pincher é um dos Pit Bulls mais famosos de todos os tempos. Seu dono, John P. Colby, o desenvolvedor da famosa linhagem Colby, o considerava como um dos melhores Pit bulls de todos os tempos.
Colby's Pincher
Nascido em 1896, Pincher era branco com manchas negras. Seu peso normal era de um pouco mais de 32 Kg, mas quando condicionado chegava a pesar cerca de 25 Kg. Seu nome, grafado corretamente como 'Pincher'(como vemos na imagem abaixo) e não 'Pinscher', pode ser traduzido como "alicate tenaz", um tipo de ferramenta similar ao torquês. E não tem nenhuma relação com a pequena raça alemã pinscher.
Anúncio dos cães de Jonh P. Colby
O registro de vitórias de Pincher é vago, e por esta razão tem sido alvo de alguma controvérsia. Contudo, é dito que Colby's Pincher derrotou mais de 20 oponentes e nunca encontrou algum que conseguisse o enfrentar por mais de 40 minutos.

Com sua grande fama nos combates, Pincher gerou bastante dinheiro em apostas, tornou-se um reprodutor bastante requisitado, e seus filhotes e descendentes eram bastante visados. O que dizem que acabou redendo um lucro de cerca de 7 mil dólares.
Mais um anúncio, agora mostrando apenas Pincher
Colby's Pincher foi considerado em sua época, o melhor cão de combate dos Estados Unidos na sua categoria de peso. Até hoje é considerado um dos melhores de todos os tempos, e está presente na maioria(senão todos) dos pedigrees de Pit Bulls de hoje.

Pincher viveu bastante e chegou a velhice, em seus últimos anos ficou cego e recebeu cuidados especiais, e tempos depois morreu por causas naturais. Era descrito como dócil, treinável, de boa natureza e gentil, exceto quando estava no ringue.

VEJA TAMBÉM:
* Jonh P. Colby - O criador da linhagem Colby
* Pedigree de Colby's Pincher
FONTES:
http://www.apbt.online-pedigrees.com/modules.php?name=Public&file=printPedigree&dog_id=5650
http://www.sporting-dog-news.com/colbys-pincher-24xw-1910/

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Não seja enganado ao comprar um Pit Bull !

Pessoas pouco informadas que estão buscando investir alto na aquisição de um cão de raça pura, podem ser facilmente enganadas no momento da compra. Na maioria das raças isto acontece no caso de compra de filhotes vindos de canis clandestinos, ou através de vendedores de cães, filhotes com doenças hereditárias e etc. Mas quando o assunto é Pit Bull, além destes casos há também uma grande possibilidade do interessado ser enganado sobre a pureza do cão.
American pit bull terrier.
nome do cão da foto: Jaedy's American Devils King Cobra
O nome 'Pit Bull' infelizmente atraí muitos aproveitadores e pessoas que agem de má-fé, que visam apenas o lucro e não tem nenhum compromisso com a raça.
O que acontece muito no Brasil é que muitos cães mestiços ou que pertencem a uma raça diferente são registrados e vendidos como se fossem Pit Bulls, e muitas pessoas pouco informadas sobre a raça acabam investindo alto em cães assim. Isto acontece até em canis famosos admirados por leigos.

Hoje a maneira mais fácil para um leigo conseguir adquirir um Pit Bull procedente no Brasil é através da verificação do registro(vulgo 'Pedigree') dos cães, no caso do Pit Bull trata-se do registro UKC e/ou ADBA. Ou seja, um leigo pode identificar se um Pit Bull é procedente se os pais e a ninhada tiverem registro UKC e/ou ADBA, melhor ainda se tiver os dois registros ao mesmo tempo. UKC é uma grande entidade cinófila americana fundada em 1898; e a ADBA é uma entidade cinófila especializada em Pit Bulls e que foi fundada em 1909, é o pedigree supremo do pit bull.
O registro/pedigree CBKC, segundo muitos criadores, não garante a procedência de um Pit Bull devido ao que ocorreu com a raça no Brasil. Muitos cães mestiços e de outras raças tiveram a oportunidade de serem registrados como se fossem Pit Bulls pela CBKC, e por este motivo o registro desta entidade não tem credibilidade para os criadores conscientes da raça. Muitos cães sem origem conhecida conseguiram obter registro na CBKC e hoje seus descendentes são vendidos à valores altos, mas que apesar de se parecerem com Pit Bulls estes cães que tem apenas registro CBKC não possuem nenhuma comprovação de que realmente pertencem à raça. Vale ressaltar que isto acontece também em outros clubes brasileiros, como SOBRACI, CINOBRÁS, etc, que também proveem registros iniciais para cães que apenas se parecem com a raça.
Quem quer investir alto em um cão de raça, está procurando procedência, padrão e genética; está buscando um cão de qualidade e de origem confirmada e rastreável, que seja um verdadeiro representante da raça. Muitos cães sem origem infelizmente conseguem registro nacional, mas de qualquer forma, mesmo conseguindo um papel, continuam sem origem, sem procedência, sem genética conhecida.

Vamos agora a uma pequena lista de dicas para que um leigo não seja enganado quando quiser investir alto em um Pit Bull:
  • Esteja ciente de que não existem tipos ou variedades de Pit Bull. 
  • Se informe sobre a raça. Conheça a história, temperamento e características físicas (como peso e altura) de acordo com os padrões UKC e ADBA. Um Pit Bull não costuma ultrapassar os 27Kg e é uma raça de porte médio e de corpo atlético.
  • Procure canis que trabalham com registro/pedigree UKC e/ou ADBA. Entre estes dois registros, hoje o ADBA é o que possui mais credibilidade, é o mais conceituado.
  • Procure canis que além de trabalharem com estes registros, também trabalham com linhagens consagradas, repeitadas e bem conhecidas lá fora no país de origem da raça, com bom histórico dentro do UKC e da ADBA e que seguem seus padrões.(Veja: Linhagens de Pit Bull)
Em complemento, eu indico os links abaixo:
American Pit Bull Terrier, Padrão ADBA e UKC.
O peso não costuma ultrapassar os 27 Kg, são de porte médio.
Acesse também os links mencionados no meio do texto("O que é pedigree?"; e "Pit Bull vs CBKC").

***LISTA "NEGRA"***
Além de alguns cães CBKC que se parecem com pit bulls mas não são, existem linhas/vertentes de cães mestiços e/ou Bullys ou de outras raças que são vendidos à valores altíssimos como sendo APBT puros e também possuem papel CBKC ou de outros clubes. Cães destas linhas e/ou com base nestas linhas/tipos NÃO são pit bulls, mas sim outros tipos de cães ou outras raças:
  • Red Lion
  • Camelot
  • Chevy
  • "monster/extreme/'bull'/extremado..."
Cães destas linhas/tipos pertencem à outras raças ou tem origens extremamente duvidáveis com histórico de inserções, algumas até são interligadas ao Bully, e todos não possuem nem se quer a mínima semelhança com o APBT, além também de não atenderem ao padrão da raça à qual alguns dizem pertencer. Apesar disso muitos destes ainda são vendidos com pedigree nacional de pit bull mesmo não pertencendo à raça (tenho a prova desta conduta aqui). Não seja enganado! Se você curte estes cães, você não está procurando um Pit bull, você está procurando uma raça diferente, procure a raça que você realmente deseja. Pense nisso. Se você já tem um cão, e ele possui algum destes nomes no pedigree, este cão não é Pit Bull, é algo diferente.
------------------------------------------------------------------------------------------------
*Tire suas dúvidas nos comentários, não é necessário ter conta para comentar. Mas se você tem conta, comente marcando a opção 'Notifique-me'. E se ainda não estiver vendo a opção de comentar, clique em 'comentários'.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

O misterioso Blue Paul

O antigo e intrigante cão escocês Blue Paul deixou seu nome gravado na história devido a suas grandes qualidades como cão de combate. Porém não há como precisar qual a sua origem. Vamos aqui levantar alguns dados para discussão.

Primeiramente preciso falar sobre a fotografia abaixo, que muitas vezes é associada de alguma forma ao Blue Paul, em textos, etc. Esta imagem é de uma cadela American Staffordshire Terrier (Amstaff) azul nascida em 1958, campeã do AKC.
Cadela "CH Lylane Blue Tango", Amstaff blue nose, muitas vezes 
colocada como um Blue Paul Terrier, apesar de não ser.
Linhagem Gallant, Ruffian, X-pert...

Já esta abaixo é uma gravura(~1880) do provável último cão Blue Paul, chamado "Paul", pertencente a James B. Morrison de Greenock, que era a autoridade principal sobre todas as raças escocesas durante os anos 1880. Este mesmo James B. Morrison, relatava que com exceção do Blue Paul, não existiam raças nativas da escócia com pelagem curta e lisa.

Blue Paul Terrier "Paul", de James Morrison

Então, qual seria a origem do Blue Paul? Existem teorias e lendas à respeito.
Uma lenda diz que estes cães teriam sido trazidos do exterior para a Escócia por volta de 1770 pelo lendário "pirata"("pirata" pelo menos para os Britânicos) Paul Jones, que era escocês.

Mas de qual lugar do exterior teriam vindo? Algumas pessoas chegam a especular que estes cães possuíam alguma relação com o cão de crista dorsal tailandês(Thai Ridgeback), embora não haja nenhuma informação que sustente esta teoria, a não ser algumas semelhanças físicas entre os cães, à exemplo da cor.
Thai Ridgeback, cores da raça. Entre elas, o azul.
Justamente na região próxima a que era natal de Paul Jones(condado de Kirkcudbright), em
Kirkintilloch, os ciganos possuíam inúmeros Blue Pauls de combate e estes diziam que os cães teriam vindo da região natal do "pirata".
Porém, deixando um pouco de lado a lenda, existem outras teorias sobre a origem do Blue Paul. Alguns pesquisadores especulam que tenham sido cães frutos de mesclas entre "bulldogs" e Greyhounds(ou até mesmo Whippets) de cor azul. Esta teoria é uma das mais plausíveis, visto que cruzamentos semelhantes foram e são realizados até hoje, à exemplo dos cães Lurcher.
Cão da raça Whippet de cor azul
Outros dizem que o Blue Paul teria alguma influência do Cane Corso, ou do antigo mastim napolitano e cães de caça italianos, por exemplo, apenas por conta da cor.

Há também teorias sobre a utilização de cães de caça indianos; sobre terriers com bulldogs e antigos "mastiffs".

Certa vez também li uma matéria antiga em site brasileiro, que foi replicada em outros sites, mencionando o Blue Paul Terrier(como "blue poll"). Segundo a matéria, alguns dos bulldogs mais famosos eram pertencentes à (segundo a matéria) Jack Simons de New Castle, e estes eram denominados blue poll. Jack Simons nomeava todos os machos como Poll e todas as fêmeas como Polly.[Segundo o site, as informações foram fornecidas pelo proprietário do extinto Canil Grassano. Ver aqui]
O texto possuí conteúdo um pouco confuso com erros ortográficos, como por exemplo ADBA que foi escrito 'ABDA'.
Contudo, em um fórum estrangeiro foi citado um trecho semelhante, mas que relata o nome do criador grafado como Jack Simms, o qual teria uma famosa cadela campeã de combate chamada Poll, uma "bulldog" denominada Blue poll. E que seus blue polls eram colocados para lutar contra "Wardle's poll"(Isto possivelmente refere-se a Wardle que é uma região da Inglaterra). No fórum é deixada uma dúvida no ar: seria o blue paul apenas um nome herdado de um famoso bulldog de combate da Inglaterra? Abaixo o trecho traduzido(também encontrado em outro fórum):
"A área da mineração de Seghill fora da cidade de NewCastle, Inglaterra, era famosa no século 19 por seus bulldogs de combate. O campeão desses famosos animais era uma cadela notável de Jack Simms, que ele chamou de "Poll" (Poll ou Polly era um nome feminino comum nesta época). A fama de Poll era difundida no norte da Inglaterra, e Blue Poll tornou-se um nome completamente comum. Um vendedor escocês chamado Cathey levou alguns desses cães de volta para a Escócia, onde eles tornaram-se moda, tanto que Morrison de Greenock, na Escócia estava exibindo um no final de 1880. [...]"
Sim, o trecho cita James B. Morrison, dono do último Blue Paul conhecido.

As imagens à seguir deixam a história do Blue Paul ainda mais confusa:
Quadro "bulldog and scotch terrier", 1837, Decamps.
"Bulldog e 'terrier escocês'(de focinheira)"
"Badger baiting(combate de texugo), por Henry Alken, 1820. Um 'Blue Paul Terrier'
é segurado pela pele do pescoço aguardando sua vez de agredir o texugo"
Os cães das gravuras seriam Blue pauls?
A única certeza sobre o Blue Paul é que este era um famoso tipo de cão de combate e que a maioria era de pelagem azul. A presença da nomeação 'terrier' em algumas citações leva à conclusão de que possivelmente alguns destes cães tivessem alguns sangue terrier ou bull-and-terrier, ou ainda um cão 'Blue paul X Bull-and-terrier'. Ainda assim, em muitos relatos é citado apenas como Blue paul.

Veremos à seguir descrições sobre as características destes cães.

CARACTERÍSTICAS DO BLUE PAUL
Maior e mais agressivo que outros cães de combate, o Blue paul era visto como um cão imbatível nas rinhas. Estes cães possuíam pelagem azul(em diversas variedades como Blue-brindle, e vários tons). Sua altura em média era cerca de 58 cm.
É dito que os Blue Pauls eram procriados separadamente dos chamados "Red Smuts"(cães de coloração vermelha), embora nascessem os dois tipos numa mesma ninhada.

Chamado às vezes de Blue Paul, Blue Poll, Bull Poll Bulldogge, Scottish bull terrier ou Blue Paul Terrier, estes cães misteriosos não possuem uma origem registrada. A versão mais plausível é sobre a participação do Whippet ou Greyhound. É difícil traçar a trajetória ou a definição do que realmente era o Blue Paul. Ainda assim, é especulado que o Blue paul tenha participado na formação do APBT e do Staffbull.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------
Textos relacionados:
* Red Smut - http://molosserdogs.com/m/articles/view/2520-red-smut
* Irish bulldog - http://molosserdogs.com/m/articles/view/1431-irish-bulldog
-------------------------------------------------------------------------------------------------------
Referências:
http://www.dogworld.co.uk/story.php/119483/2009/the_blue_paul
http://www.redboysamstaffs.com/blueamstaffs.htm
http://www.pitbullforum.se/rashistorik-b199/the-blue-paul-(poll)-terrier/0/ (The Pit Bull - Fact and Fable by K.S. Matz) (citação à Jack Simms)
http://www.geocities.ws/Petsburgh/Haven/5959/hist.html (citação à Jack Simms)
http://z3.invisionfree.com/Staffyworld/ar/t3359.htm (citação à Jack Simms)
https://books.google.com.br/books?id=TUzmhdcaeI4C&pg=PT13&lpg=PT13&dq=James+B+Morrison+of+Greenock&source=bl&ots=EeNVODa3Gs&sig=lS3556IdF0tAxgZ_e6eiDrsN2dk&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjv--ft3rbTAhXF6iYKHbomAYQQ6AEIJTAA#v=onepage&q=James%20B%20Morrison%20of%20Greenock&f=false
http://molosserdogs.com/m/articles/view/2238-scottish-blue-paul-bullterrier
* Homan, M. (2000). A Complete History of Fighting Dogs, Chapter 19 (https://en.wikipedia.org/wiki/Blue_Paul_Terrier)

Páginas